Recomendações de Tratamentos Alternativos Naturais para o Coronavírus - Dr. Sircus | Brazil

Publicado em 24 de janeiro de 2020

Este é um protocolo básico para tratar o coronavírus, bem como para tratar uma gripe comum. A maioria dos itens abaixo podem ser usados nos departamentos da UTI e em casa.

As pessoas morrem de vírus o tempo todo, mas as taxas de mortalidade podem ser drasticamente reduzidas se analisarmos fatores essenciais como mudanças de pH e suplementação com dosagens pesadas de iodo, selênio e cloreto de magnésio. A medicina moderna se recusa a olhar para esses medicamentos básicos comumente usados ​​nos departamentos de UTI que salvam vidas todos os dias; se recusa a considerar que esses mesmos medicamentos podem ser medicamentos perfeitos para prevenir e tratar essa nova doença viral.

Tratamentos para infecção viral

Se você não quer que seus entes queridos morram de uma infecção viral, a primeira coisa que você precisa saber é que, no minuto em que você ou seus filhos tiverem um resfriado, precisarão tratar agressivamente com medicamentos naturais ao invés de farmacêuticos. Melhor ainda, os mesmos medicamentos podem ser usados ​​para prevenir infecções, para que as pessoas possam proteger suas famílias contra esse vírus (e todos os outros) iniciando o tratamento.

Estamos falando de bicarbonato de sódio, cloreto de magnésio, selênio e iodo, que podem ser utilizados em altas doses para impedir que os vírus se apossem e sufoquem uma pessoa até a morte com sua proliferação. Todos esses medicamentos podem ser administrados em casa com segurança, são legais, sem a necessidade de receita médica, porque são de natureza nutricional, não de fabricação farmacêutica.

A suscetibilidade a doenças infecciosas é comum em populações humanas desnutridas. Tradicionalmente, isso é visto simplesmente como uma consequência do fato de que o sistema imunológico deve ser mantido por uma nutrição adequada para funcionar de maneira ideal. Somente recentemente começaram a se acumular dados para apoiar a ideia de que  fatores nutricionais às vezes podem ter um efeito direto sobre patógenos , e que a passagem por hospedeiros com deficiência nutricional pode facilitar mudanças evolutivas nos agentes infecciosos.

Matando infecções virais com bicarbonato de sódio

Certos vírus (incluindo o rinovírus e coronavírus que são mais frequentemente responsáveis ​​pelo vírus do resfriado comum, e do vírus influenza que produz a gripe) infectam as células hospedeiras por fusão com membranas celulares com baixo pH. Portanto, eles são classificados como “vírus dependentes de pH”.

“A fusão depende da acidificação do compartimento endossômico. A fusão no nível do endossoma é desencadeada por alterações conformacionais nas glicoproteínas virais induzidas pelo baixo pH desse compartimento celular. 1”[1]

“Em 1918 e 1919, enquanto lutava contra a ‘gripe’ com o Serviço de Saúde Pública dos EUA, foi notado que raramente alguém que havia sido completamente alcalinizado com  bicarbonato de sódio  contrariava a doença, e aqueles que a contraíram, se fossem alcalinizados rapidamente, invariavelmente tiveram ataques leves. Desde então, tratei todos os casos de ‘resfriado’, influenza e ‘la gripe’ com doses generosas de bicarbonato de sódio e, em muitos casos, em 36 horas os sintomas já tinham sido completamente acabados”, escreveu o  Dr. Volney S. Cheney  para  a Arm & Hammer Company.

O Dr. Jerry Tennant escreve: “ À medida que os níveis de oxigênio decaem, você tem infecções . Cada um de nós contém cerca de um trilhão de “micróbios”. Eles estão suprimidos quando o oxigênio está presente. No entanto, à medida que o oxigênio diminui, os “insetos” acordam e querem almoçar – eles querem almoçar você. Como eles não têm dentes para morder suas células, eles lançam enzimas digestivas para dissolver células. Enquanto consomem suas células, você vai ficando doente.

O fator mais importante em ter níveis adequados de pH é o de aumento do oxigênio, porque nenhum resíduo ou toxina pode sair do corpo sem antes combiná-lo com oxigênio. Quanto mais alcalino você for, mais oxigênio seus fluídos poderão reter e manter. A posição da curva de dissociação de oxigênio (ODC) é influenciada diretamente pelo pH, temperatura corporal central e pressão do dióxido de carbono. Segundo Warburg, são as quantidades aumentadas de agentes cancerígenos, toxicidade e poluição que fazem com que as células não consigam absorver oxigênio com eficiência.

Nunca esqueça o iodo

” Doses extremamente  altas de iodo  podem ter efeitos colaterais sérios, mas apenas uma  pequena fração dessas doses extremas é necessária para matar os vírus influenza ” , escreve o Dr. David Derry do Canadá. Em 1945 ocorreu um avanço quando JD Stone e Sir McFarland Burnet (que mais tarde ganharam o Prêmio Nobel por sua Teoria da Seleção Clonal) expuseram ratos a efeitos letais de névoas virais da influenza. A patologia foi evitada colocando solução de iodo nos focinhos de camundongos imediatamente antes de colocá-los em câmaras contendo vírus influenza.  O Dr. Derry também nos lembra que há muito tempo os alunos nas salas de aula estavam protegidos da gripe pela terapia com aerossol de iodo.

O iodo é uma obrigação quando lidamos com vírus mortais e ajudaria bastante a diminuir as taxas de mortalidade pelo ebola. O Dr. Gabriel Cousens  escreveu: “Historicamente, desde 1911, as pessoas normalmente tomavam entre 300.000 a 900.000 microgramas de iodo diariamente sem incidentes. Outros pesquisadores usaram entre 3.000 e 6.000 microgramas / dia para prevenir o bócio. ”As  deficiências de iodo têm um grande efeito no sistema imunológico.

Vitamina D – Ajuda perfeita para a vitamina C

A vitamina D  reduz o risco de morte  por infecções virais. Pesquisadores do Hospital Winthrop University, em Mineola, Nova York, descobriram que dar suplementos de vitamina D a um grupo de voluntários reduziu em 70% os episódios de infecção por gripes e resfriados em três anos.  Os pesquisadores disseram que a vitamina D estimula a “imunidade inata” a combater vírus e bactérias.  Muito poucos têm ideia de que a vitamina D pode ser ingerida em altas doses como a vitamina C.

Magnésio para doenças agudas

O cloreto de magnésio ( óleo de magnésio ) sempre foi e continua sendo meu remédio favorito de primeira linha que afeta nossa fisiologia humana. Dr. Raul Vergini  da Itália afirma: “O cloreto de magnésio tem um poder curativo exclusivo em doenças virais  e bacterianas agudas . Ele curou poliomielite e difteria e esse foi o assunto principal do meu livro de magnésio. Algumas gramas de cloreto de magnésio a cada poucas horas eliminam quase todas as doenças agudas como gripes e resfriados. Vi muitos casos de gripe curados em 24-48 horas com 3 gramas de cloreto de magnésio tomados a cada 6-8 horas. ”Minha recomendação seria seguir a sugestão do Dr. Vergini e melhorar com a  terapia transdérmica de magnésio .

Medicina de selênio

A deficiência de selênio pode permitir que os vírus invasores sofram mutações e causem doenças mais graves e duradouras. Pesquisas com animais mostraram que o selênio e a vitamina E têm efeitos sinérgicos, melhorando a resposta do organismo a infecções bacterianas e parasitárias.

Na medida em que o selênio é um potente estimulador imunológico, evidenciado em um estudo de 18 meses com 262 pacientes com Aids que tomaram uma cápsula diária contendo 200 microgramas de selênio e apresentaram níveis mais baixos do vírus da Aids e mais células do sistema imunológico CD4 nas correntes sanguíneas do que aqueles que tomam uma pílula placebo.

Esses pacientes com AIDS que tomaram selênio foram capazes de suprimir o vírus mortal em seus corpos e impulsionar seus sistemas imunológicos frágeis, aumentando assim evidências de que o selênio possui poderes curativos que devem ser empregados para todas as ameaças virais.

As investigações clínicas em estudos de sepse indicam que doses mais altas de selênio são bem toleradas como infusões contínuas de selênio como selenito de sódio (4.000 μg de selênio como selenito de sódio penta-hidrato no primeiro dia, 1.000 μg de selênio / dia nos nove dias seguintes) e não tiveram problemas de toxicidade relatados.

Usando a luz solar para aumentar a resposta do sistema imunológico

Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Georgetown descobriram que a luz solar, através de um mecanismo separado da produção de vitamina D , energiza as células T que desempenham um papel central na imunidade humana.

O professor Gerard Ahern que liderou o estudo em Georgetown disse: “Todos sabemos que a luz solar fornece vitamina D, que é sugerida como beneficente na imunidade, entre outras coisas. Mas o que descobrimos é um papel completamente diferente da luz solar na imunidade. Alguns dos papéis atribuídos à vitamina D na imunidade podem ser devidos a esse novo mecanismo. ”

Um dos maiores gatilhos da influenza, gripe suína e as mortes por deficiência pulmonar são da deficiência de vitamina D. A vitamina D reduz o risco de morte por todas as causas, incluindo a gripe. Pesquisadores do Hospital Winthrop University, em Mineola, Nova York, descobriram que dar suplementos de vitamina D a um grupo de voluntários reduziu em 70% os episódios de infecção por gripes e resfriados em três anos. Os pesquisadores disseram que a vitamina estimulava a “imunidade inata” a vírus e bactérias. Muito poucos têm ideia de que a vitamina D pode ser tomada em doses extremamente altas, como a vitamina C.

Quando nosso sistema imunológico já está deprimido, morremos mais facilmente quando confrontados com infecções. Os vírus emergentes estão se tornando mais viris e agressivos, e os medicamentos tradicionais estão se tornando menos eficazes. Os vírus são inteligentes, sofrem mutações e se tornam resistentes a produtos farmacêuticos antivirais. Crises globais como o Ebola, SARS e a dengue se espalham mais rapidamente do que podemos combater com o desenvolvimento de novos medicamentos, e a cada estação há novas cepas de gripe que desafiam a eficácia das vacinas.

Autor: Dr. Mark Allan Sircus

Tradução e adaptação por Dr. Maurice T. G. Sircus, Nutricionista e Educador Físico

Artigo original: https://drsircus.com/general/treatment-recommendations-for-new-virus-that-is-shutting-down-entire-cities/

[1]  Viral membrane fusion: is glycoprotein G of rhabdoviruses a representative of a new class of viral fusion proteins? Braz J Med Biol Res ;vol.38 no.6; Ribeirão Preto June 2005; http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-879X2005000600002